quinta-feira, 27 de novembro de 2014

AS REBELIÕES NOS PRESÍDIOS DA PARAÍBA SÃO AÇÕES DOLOSAS DA SEAP

Infelizmente temos que afirmar, sem sombra de quaisquer dúvidas, que todas as rebeliões ou princípios de rebeliões em unidades penais deste Estado é culpa única e exclusiva do SR. SECRETÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA DO ESTADO DA PARAÍBA, SR, WALBER VIRGOLINO, pessoa despossuída de qualquer competência para gerir um sistema penitenciário, uma vez que a única formação que tem é a graduação do Curso de Direito e o Curso de Formação de Delegado de Polícia, na Academia de Polícia do Estado da Paraíba, sem qualquer qualificação em gestão pública, direitos humanos ou uma pós-graduação que lhe possibilitasse enxergar, ver, vislumbrar o que é administrar.
Por tudo isto, ele não mede nenhuma consequência no que fala e no que faz. Ele aponta Agentes Penitenciários violentos e tidos como torturadores para cargos chaves dentro do Sistema Penitenciário, a exemplo de DINAMÉRICO CARDIN, atual Secretário da Gerência do Sistema Penitenciário e Langstein, ora Diretor do Presídio do Roger na capital do Estado, o primeiro torturador do preso chamado de “Mata Sete”, isto de forma odienta e covarde, enquanto o seguinte é execrado por todos os presidiários, por ser espancador de apenados, sempre de forma mesquinha, desprezível e infame, enquanto na cidade de Guarabira, o Diretor violava a dignidade do ser humano, pois tinha como arsenal na sua administração vigorosas máquinas de raspar as cabeças dos presos e indagado o que lhe autorizava a proceder daquela forma, ele disse nada e justificou: é que durante a minha formação fomos visitar um presídio e vi aquela prática, então pensei: Se um dia for diretor, adotarei o que vi e mesmo instado por conselheiros a parar com o nefasto costume ,respondeu que só o faria se fosse por força superior, o que nos pareceu que tal funcionário público sente-se acima da lei e como o seu superior, aposta na impunidade.
Agora indago: opressões, violações da dignidade da pessoa humana, espancamentos, torturas resolvem? Lógico que tudo isto gera um ódio reprimido que em algum momento vai explodir, e a culpa é do Secretário, uma vez que conhece todos esses homens e os escolhe como linhas de frente de um sistema que precisa de planejamento, projetos, de uma ressocialização séria e não de torturas, não de cabeças raspadas, não de espancamento.
Ao verberar em canal de TV que não possui filhos e nem parentes lá dentro e que não lhe dói reprimir rebeliões, se revela como alguém sumamente despreparado, já que um ser desavisado e incauto pode sim defender posições extremadas, mas um agente da lei investido nas funções de zelar pela integridade de quem se encontra segregado e de planejar projetos de ressocialização jamais, não é ele que fala, mas o Estado e isto tem que ser conduzido de forma responsável por alguém que tenha ciência do que diz..
De sorte, que o atual Secretário não serve e nem se encontra preparado para assumir as altas funções de Secretário da Administração Penitenciária do Estado da Paraíba, o qual, com sua incapacidade administrativa, dia, após dia só agrava a situação do falido sistema penitenciário paraibano, com suas nomeações espetaculosas e delirantes, como delirante é o seu sonho de militarizar os presídios e quem assistiu o desfile de 7 de Setembro viu, a macabra, melancólica e tristonha parada militar penitenciária, onde, como um desfile nazista, presos foram exibidos como troféus e carros fúnebres e funestos fechados e pintados de cores negras, apresentados de forma doentia como grande realização de uma secretaria opaca e sombria, que esconde em seus porões a pior das desgraças, a violência desalmada, a tortura salafrária e bandida, cujo controle há muito foi perdido pela omissão dolosa do titular da pasta e se continuar titular, coisas piores irão surgir no cenário da violência paraibana.

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

FIQUE DE OLHO: OS FATOS DO COTIDIANO DESMENTEM A PROPAGANDA OFICIAL

Paraíba tem sexta-feira negra com 6 homicídios

Além da adolescente de 14 anos morta na escola, um homem de 25 anos e dois casais foram executados a tiros na PB no dia de ontem

0


A Paraíba teve ontem (21) uma sexta-feira negra com o assassinato de 6 pessoas num único dia. O dia se transformou em luto para 6 famílias, incluindo, a da jovem adolescente de 14 anos que foi assassinada pelo colega de escola em João Pessoa. Outros cinco homicídios ocorreram à noite nas cidades de João Pessoa, Sapé e na divisa dos municípios de Sobrado e Riachão do Poço, todos na Zona da Mata Paraibana. Um jovem e dois casais foram executados a tiros.
Em João Pessoa, por volta das 19h, um casal foi morto na divisa das comunidades Nova Mangabeira e Paratibe, no bairro Valentina de Figueiredo, Zona Sul.
De acordo com informações policiais do 5º Batalhão de Polícia Militar, as vítimas trafegavam em um veículo de cor prata quando teriam sido surpreendidas por quatro homens que estavam em duas motos. Estes já chegaram atirando.
Mesmo baleado, o condutor ainda teria tentado dirigir o veículo, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. A Polícia Militar havia partido para investigações, mas ainda eram desconhecidos os autores e os motivos do assassinato.
Mais tarde, às 20h10, no interior do estado, em uma localidade que faz divisa entre os municípios de Riachão de Poço e Sobrado, outro casal foi executado a tiros dentro da própria residência. O homem tinha 32 anos e a companheira, 30.
Segundo informações de moradores repassadas à PM, cerca de três pessoas teriam invadido o local e praticado o crime. A polícia trabalha com a hipótese de que a intenção dos bandidos era realmente de cometer a execução.
O casal estava havia estabelecido residência fixa no local há apenas 15 dias. A polícia informou que o homem assassinado era suspeito pelo roubo de motos, mas não há informações sobre a associação dessa suspeita com o crime.
Em Sapé, às 21h40, um jovem de 25 anos foi morto com cerca de dois disparos na cabeça, nas proximidades de uma fábrica de gesso, no bairro Renato Ribeiro.
A PM informou que uma dupla de moto teria efetuado os disparos e fugido para destino desconhecido. Buscas estavam sendo feitas, mas ainda não havia sido feita a identificação dos suspeitos.
Blog do Gordinho com Portal Correio

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

A QUEM INTERESSA O SILÊNCIO DO CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS HUMANOS?


                O CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS HUMANOS DO ESTADO DA PARAÍBA – CEDHPB, composto de pessoas íntegras, corajosas, compromissadas e sem qualquer remuneração, não se enganem, tem prestado considerável e expressiva contribuição à causa dos Direitos Humanos no Estado da Paraíba, sempre nas mais diversas frentes, mas um assunto não quer calar: O ultrapassado e carcomido sistema penitenciário paraibano e a acéfala segurança pública do nosso Estado, esses dois segmentos governamentais, geraram por incompetência dos seus gestores, agudo incômodo ao ora governador, então candidato á reeleição, quando acossado e indagado sobre os terríveis e inadequados equívocos dos titulares das pastas da Administração Penitenciária e da Segurança e sedizente defesa social.
                Dentre os sombrios e perniciosos equívocos que prejudicaram e prejudicam a segurança pública, os cidadãos e a imagem do governador, temos a inexplicável e criminosa medida do fechamento das 33 delegacias de polícia e isto posso provar, pois, em inúmeras operações nas quais participamos na cidade de Bayeux, quando da ocorrência de alguma prisão, o autuado era levado para Santa Rita ou João Pessoa, o que desmotivava todos os integrantes das manobras que visavam levar paz à comunidade, de forma que é inexplicável, burra e inconseqüente a medida e só não entendo o motivo pelo qual, o Sr. Governador, mesmo massacrado por seus adversários não exonerou o autor de tão obtusa proposição, o qual, ao contrário, deveria criar, construir, reinventar novas possibilidades de uma boa prestação de segurança ao nosso povo.
                Da mesma forma, indagamos o motivo pelo qual, um administrador da pasta da segurança ainda se encontra à sua frente, quando teve a mais desalentada concepção de só permitir que uma delegacia especializada em crimes contra o patrimônio só instaurasse inquérito policial, em caso de crimes cuja “res furtiva” seja igual ou superior a R$ 20.000,00, ainda não foi mandado para casa, uma vez que esse homem só atrapalha, só coloca o SR. GOVERANDOR em “saias justas”.
                Na Secretaria de Administração Penitenciária, quem está de fora não sabe, mas funciona da seguinte forma:
1.       Não existe nenhum projeto de ressocialização;
2.       Agentes Penitenciários com perfis violentos e vida pregressa recheadas de denúncias de espancamentos e torturas são premiados com funções gratificadas, a exemplo dos agentes Langstain, atual Diretor do Presídio do Roger (E após sua assunção no cargo, rebeliões acontecem todos os dias), espancador conhecido dentro do sistema, enquanto Dinamérico Cardin, agora Secretário da Gerência do Sistema Penitenciário é tido como torturador contumaz, sendo afamado por ter torturado covardemente o presidiário que a imprensa sensacionalista batizou de “Mata Sete”.
3.       Possível repasse irregular de informações, pois, como pode um candidato ao governo conseguir em tempo recorde (o CEDHPB requereu ao governador e ao Secretário de Segurança e ao da SEAP  investigações), a qualificação completa, apenação e todos os dados de sentenciados em regime de semi-liberdade e até em livramento condicional que realizavam colagem de cartazes do candidato e atual governador, de maneira que alertamos ao chefe máximo da administração: Essa SEAP é confiável, será que havia alguém torcendo pelo seu adversário pensando ser alçado a outro cargo mais cobiçado? Mande investigar?
4.       Também a formação belicosa e militarista dos agentes penitenciários, a qual deve ser discutida urgentemente, que tem o preso como inimigo, teimando em tratá-lo desumanamente, como é o caso de um diretor de Guarabira, que por pura perversidade, visando humilhar ainda mais o segregado, mandava raspar a cabeça de todos os que adentravam àquela casa penal, tendo um dos seus agentes raspado metade das cabeças de seis presos e depois, ao som do hino nacional, mandou que eles se agredissem, com metade das suas cabeças raspadas, o que demonstra doença psíquica desse servidor e um perigo para o sistema como um todo.

Esses secretários, incapazes de gerarem projetos e programas para ressocializarem apenados ou defenderem a sociedade, s e incomodam com os defensores dos Direitos Humanos, o da Administração Penitenciária pasmem, mandou abrir Procedimento Administrativo para apurar se duas conselheiras filmaram familiares de presos no momento da submissão à infamante revista íntima, quando na verdade é ele o criminoso, enquanto o da Segurança teima em dar palpites no CEDHPB, na tentativa de desacreditar conselheiros independentes e combativos, e agora, acreditem, O Secretário da SEAP DETERMINOU que seja investigado a regularidade da indicação de alguns conselheiros, o que beira às raias de um delírio desvairado em busca do silêncio e da intimidação de um conselho independente, esquecendo os dois, de que jamais calarão este sinédrio e nenhum dos seus ilustrados membros, que de antemão já informam que não comparecerão para prestar qualquer esclarecimento a essa comissão, que objetiva intimidar conselheiros, e mais, esclarecendo que não acreditamos em qualquer apuração efetuada pelo Sistema Penitenciário, pois todas, quando envolvem práticas de torturas claras e cristalinas, sempre redundam na inocência de hediondos criminosos. Ficando a indagação: Porque querem e se interessam pelo silêncio do CEDHPB?