domingo, 24 de agosto de 2014

PRESIDENTE DUTRA, ISTO, AQUILO O OUTRO













MINHAS ALVISTAS

Este era um costume da Dutra. O povo de lá gostava de ir para São Paulo capital e passava muito tempo sem vir, pois se voltasse logo era um fraco, um derrotado. Quando vinha a passeio suas casas se enchiam de parentes e amigos, que tocados de saudades, não deixavam o “paulista” sozinho, nem para tomar banho, queriam porque queriam saber notícias dos parentes que moravam na capital bandeirantes, assim como, as notícias paulistanas que eram poucas, pois nossos patrícios eram humildes, moravam nas periferias e não tinham acesso ao luxo e nem ao poder paulista, os quais escutávamos apenas pelas Ondas Largas da Rádio AM Bandeirantes e sonhávamos que aquilo tudo era acessível a quem fosse até lá, o que era uma grande ilusão transformada em decepção quando os baianos simplórios e atrasados desciam na Rodoviária do Glicério na capital Paulista, uma rodoviarizinha de interior, onde nossos conterrâneos começam a sofrer o preconceito paulistano, bichos nordestinos, tinham que desembarcar era num chiqueiro mesmo e para tanto, destinaram a Rodoviária do Glicério, uma coisa horrível para que os ônibus da Empresa EMTRAM pudessem deixar a carga que traziam dos carentes sertões baianos.
Pois bem, essas pessoas sofriam no pesado durante anos e anos, não podiam voltar, só os fracassados não ficavam em São Paulo e tinham que agüentar todo tipo de opressão, até que um dia, não mais agüentando a saudade dos parentes e da terra, vinham passar uns dias com os seus. Na nossa cidade não tinha rodoviária, o ponto final do ônibus era em Irecê e aí, chegando fora de hora e com os dinheiros contados, tinha o nosso chegante, já amanhecendo o dia, que alugar um carro para trazê-lo até Presidente Dutra e quando entrava na cidade, ou era visto ainda em Irecê por algum conhecido, este não se apresentava, vinha correndo na frente até à casa do “paulista” e gritava MINHAS ALVISTAS, FULANO TÁ NA TERRA e aí a família tinha que dar um prêmio ao anunciante pela boa e bela notícia, pois seus corações entravam em festa de tanta alegria pela chegada do ente querido.
Creio que ALVISTAS seja uma corruptela de TERRA À VISTA, expressão muito utilizada pelos marujos, que cansados e doentes da permanência no mar, ao sentirem que se aproximavam dos continentes gritavam felizes e festejantes: TERRA Á VISTA, TERRA À VISTA e todos se abraçavam e comemoravam.
Entendo que o mais acertado seria dizer FULANO À VISTA, pois vista com crase significa o que está diante dos olhos, bem nas suas vistas, bem ali, anunciando a boa nova, a chegada “paulista presidentinos” que retornava à Dutra após longo período de escravidão em terras do Sul, como diziam, quando na verdade eram em terras do rico sudeste.
Após receber a notícia a família mandava um emissário urgente na Praça do Comércio para comprar fogos de artifícios (foguetes), também cuidava em matar várias galinhas, pois assim que o “sulista” chegasse seria anunciado festivamente com fogos de artifício e recebido com uma deliciosa galinha de capoeira, assim como os primeiros vizinhos que chegasse, também degustaria a saborosa penosa.
Como tudo nesta vida é passageiro, acho que esse costume todinho nosso não existe mais, mas eu esse tempo era bom, ah, disto não tenho nenhuma dúvida.
Os “sulistas de São Paulo” traziam gravadores e gravavam nossas vozes, era impressionante, como um aparelho daqueles repetia igualzinho nossas vozes, era o comentáros dos mais velhos.
Porém, os gravadores geraram muitas mal querenças, pois parentes de pessoas que tinham a voz gravada e divulgada para outras pessoas não gostavam, já que consideravam a iniciativa como um deboche, uma gozação, uma ironia contra seus parentes e chegaram mesmo a quebrar gravadores dos nossos paulistas, que após dias de Dutra deixavam de ser novidades e eram tratados como pessoas comuns. O sucesso era rápido.
Os “paulistas Presidentinos faziam sucesso com as meninas, namoravam e muitos noivavam e depois voltavam para casar, tenho uma prima de apelido “Gorda”, que esperou o noivo Fábio de Onésimo durante 13 (treze0 anos, isto mesmo, 13 anos, namoravam por carta e Gorda nunca olhou para outro rapaz e era extremamente feliz com Fábio, de forma que casaram e vivem até hoje apaixonados.
Os paulistas vinham equipados com reluzentes relógios da cor de ouro, eram lindos, eu sonhava com um daqueles e dizia, quando eu crescer vou embora para São Paulo e vou comprar um relógio deste e um óculos também, já que os “Paulistas Presidentinos” também traziam vistosos óculos Ray ban, tipo aviador, causando inveja nos pobres presidentinos, que sonhavam com aqueles luxos fora dos seus alcances, sem contar as radiolas de mão e a pilha, que faziam a sensação, pois o “Paulista Presidentino” “rico” e muito orgulhoso, fazia tocar o dia e a noite para os presentes os sucessos de Tonico e Tinoco, Jacó e Jacozinho, Zilo e Zalo e Teixeirinha e outros, bem como o sucesso imbatível d Léo Canhoto e Robertinho..
De forma que quem foi a São Paulo naqueles tempos e mesmo quem não foi, viveu uma doce ilusão, o sonho da riqueza, do luxo e do poder que nunca viram, mas eram exercitados a troco de muitas mentiras e de muitas bugigangas, já que tinha “Paulista Presidentino” que dizia que São Paulo era o lugar de ganhar dinheiro e que estava bem de vida, mas que passados 15 dias de sua estada na Dutra, tinham que vender o gravador, o relógio e os óculos para poderem voltar.

MEUS ABRAÇOS DE HOJE:

Zé de Pedro Elias, Isaías (Baé), Gi de Zé Velho, Uerson de Nissão, Suelma de Nissão, Judite de Nissão e o Galego de Nissão, Marinho, Pedro, Miguel, Cassimiro de Odilonzinho, Vilson de Hermenegildo, Chute de Irani de Hermenegildo, Orlandão de Ivani de Izidoro Velho, aos paulistas Raimundo de Maria de Martinha, meus irmãos Zé Mendes, Roberval e Olindina, que não mais vivem a ilusão paulistana, ao meu irmão Daladier, que Deus o conforte neste momento de extrema dor, tão grande dor, a Vilson e Miguel meu irmãos, a Dr. Ivan Carlos machado, a João de Antero, a Jotão, pai de Rivelino, a Laércio de Mirão, a Joelzinho de Lionides, a Filho de Mané Doce, a Lié, Linda e Dalva de Zé Elias, a Dr. William, a Didi de Colinha, nosso grande agrônomo, a Vera de Morena, a Odezinho, a Virgínia de Odésio, a Maria Núncia, 

sábado, 23 de agosto de 2014

NOTÍCIS DO CEDHPB













AUDIÊNCIA CORREGEDOR GERAL DE JUSTIÇA


Dia 25 de agosto de 2014, na parte da manhã, o CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS HUMANOS se reunirá com o Corregedor Geral de Justiça do Estado da Paraíba, oportunidade em que serão discutidos dentre outros  os seguintes assunto: 1. Andamento dos processos de homologação dos oficiais da polícia Militar, que em face da conclusão do Conselho de Justificação da PMPB tiveram suas demissões sugeridas, mas, por conta de uma famigerada lei estadual, tal demissão dos quadros da PMPB depende da homologação do Tribunal de Justiça do  Estado da Paraíba.
Dentre esses oficiais cujas demissões foram aconselhadas pelo Conselho de Justificação da PMPB temos o Major Gutemberg e seu irmão, o Capitão Neubon Nascimento, além da Tenente Irving, acusada da prática de tortura, na cidade de Campina Grande-PB.

O CEDHPB PROTOCOLOU REPRESENTAÇÃO CRIMINAL COM PEDIDO DE PROIBIÇÃO DE PRÁTICAS QUE ATENTAM À DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA.


Em data de 20 do mês de agosto de 2014, o CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS HUMANOS DO ESTADO DA PARAÍBA – CEDHPB protocolou junto ao juízo da 1ª Vara da Comarca de Guarabira, privativa das execuções penais, REPRESENTAÇÃO CRIMINAL COM PEDIDO DE PROIBIÇÃO DE PRÁTICAS ATENTATÓRIAS À DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA E PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS contra a malsinada prática, em desfavor do Agente Penitenciário ALBERTO e a própria direção do Presídio Regional de Guarabira, local onde se vem registrando violações gravíssima aos direitos humanos dos internos naquela casa penal.
Na mesma oportunidade, o CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS HUMANOS DO ESTADO DA PARAÍBA – CEDHPB, enviou cópia da representação, com pedido de proibição da abjeta prática desumana ao Sr. Governador do Estado da Paraíba e ao Secretário de Administração Penitenciária. Estamos no aguardo de providências sérias, que venham a frenar o instinto bestial de alguns servidores do Sistema Penitenciário Paraibano.

PARCERIA E APOIO AOS FAMILIARES DE PRESOS VÍTIMAS DA REVISTA VEXATÓRIA – PROPOSIÇÃO DE AÇÕES DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS


O CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS HUMANOS DO ESTADO DA PARAÍBA, sensível a aberração praticada em todos os presídios do Estado da Paraíba, mesmo após recomendação do Ministério Público Paraibano, consistente na submissão de esposas e familiares de segregados á terrível revista íntima, invasora, humilhante e severamente constrangedora, estará colocando dois advogados à disposição desses familiares, com o fim de proposição de AÇÕES JUDICIAIS DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS contra o Estado da Paraíba e o Secretário de Administração Penitenciária, pois é ele o responsável final por tão vergonhosa nódoa praticada de forma reiterada pelo Sistema Penitenciário Paraibano.
O CEDHPB está em parceria com a entidade AMEA PESSOA e pretende atravessar centenas de indenizações contra o Estado e o próprio Secretário por tão pecaminosa omissão, uma vez, que mesmo provocado pelo Ministério Público, teima em não frenar de uma vez por todas a despropositada prática.

REALIZAÇÃO DO I ENCONTRO NORTE/NORDESTE DE CONSELHOS ESTADUAIS DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS, TROCA DE EXPERIÊNCIAS, ENFRENTAMENTO DE NOVOS DESAFIOS.


O CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS HUMANOS DO ESTADO DA PARAÍBA – CEDHPB, já elaborou o projeto e já se encontra em fase de preparação da realização do I ENCONTRO NORTE/NORDESTE DE CONSELHOS ESTADUAIS DE DEFESA DOS  DIREITOS HUMANOS, TROCA DE EXPERIÊNCIAS, ENFRENTAMENTO DE NOVOS DESAFIOS, o qual será realizado nos dias 23 e 24 de outubro de 2014, no Auditório Edgard Júlio, do Ministério Público do Estado da Paraíba.
Dentre os palestrantes, teremos várias autoridades de grande peso intelectual e administrativo de nosso País e da Paraíba, de forma que será um evento imperdível e a todos recomendados.
No final do conclave, será elaborada uma carta de compromisso de atuação uniforme e conjunta, de forma estratégica e planejada.

CONSELHO COBRA DO GOVERNO EXPLICAÇÕES SOBRE NOMEAÇÃO DE TORTURADOR



Nesta segunda feira, dia 25 de agosto, o CEDHPB estará protocolando junto ao Governo do Estado pedido de explicações e de exoneração do Agente Penitenciário DINAMÉRICO CARDIM, torturador notório incrustado no sistema penitenciário Paraíba, tendo se tornado famoso pelas sádicas e covardes torturas impingidas ao preso Carlos José “Mata Sete, inclusive na época, o Advogado Criminalista Abraão Beltrão chamou de covarde todos os torturadores de “Mata Sete” e disse que todos que entram no Roger são seviciados, o que se constitui numa verdadeira ignomínia, numa infâmia.”

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

MINHA SELEÇÃO DE OURO

                                               Diferentemente de Felipão e de sua milionária Comissão Técnica, diferentemente de respeitáveis parlamentos, estaduais e municipais deste querido Brasil, que só seleciona para jogar e serem homenageados nos seus times vultosas autoridades, todas em posição de mando, não importando suas mediocridades e olha que este País está repleto de pessoas em posições de mando sem qualquer merecimento, resolvi escalar minha seleção, muitos dos jogadores escalados para vencer qualquer copa não possuem contratos milionários em jogam em equipes de destaque da Europa, a maioria está jogando em times paraibanos e olha que sabem driblar, marcar, possuem visão de jogo e são grandes estrategistas, jogadores de dar inveja àqueles idolatrados por uma mídia comprometida com marcas, audiência e membros da imprensa que recebem por fora, estes não, sabem jogar de forma bela, empolgante e merecem a minha convocação.
Na minha seleção, a posição de guarda-redes (goleiro) ficou sobre a responsabilidade do Ministro Joaquim Barbosa, um homem de pele negra que apaixonou o Brasil com suas belas jogadas, ele é especialista em fechar o seu arco, contra as investidas dos jogadores da seleção de corruptos, ele fechou o gol contra a impunidade desses jogadores, craques em avanças dobre as finanças públicas, ele é o melhor goleiro, que também sabe jogar no ataque, infernizando a vida da torcida desses times, alguns amigos de profissão não gostam dele, porque torciam pelo adversário que ele desmoralizou.
O líbero da minha seleção de ouro é um político, mas um político diferente, com ética, ideais e sonhos, ele como grande jogador propôs uma grande jogada que eu como seu técnico admito como excelente: “que os filhos dos seus colegas políticos estudem em escola pública”, além do mais, ele defende no time onde joga, no Senado da República várias outras jogadas de alcance social ilimitado, tendo como meta a redução da pobreza e a exterminação da miséria em nosso querido Brasil, este meu estimado jogador e titular absoluto na minha seleção é o senador nordestino pernambucano Cristovam Ricardo Cavalcanti Buarque, o qual tem uma proposta de jogada que já se encontra sendo ensaiada sem eu time, o Senado Federal, consistente na federalização da educação básica, na qual os professores ganhariam R$ 9,5 (nove mil e quinhentos reais) por mês, pois, como eles entendemos, que educação não se faz pagando esmolas a professores, o que determina com profissionais desqualificados dentro das nossas sedizentes escolas públicas de péssima qualidade.
Nas laterais da minha Seleção escalei do lado direito o empresário, estudante de Direito e Bacharel em Administração, o inteligente Bacas, este é o seu nome no meio esportivo, mas como nome de batismo se chama Kelner Maux, um jovem empresário dos nossos tempos, em sua equipe, a Empresa Copy Line, joga em todas as posições, sendo um exímio artilheiro, um marcador de gol temido pelas defesas adversárias, pois sabe tratar com dignidade seus empregados, apesar de rico sua composição física e espiritual maior é a simplicidade, sempre em permanente bom humor, tem como amigos vendedores ambulantes de doces e amendoins, os quais trata com igualdade e admirável respeito e é um pai exemplo, agudamente amado pelos parentes e por quem tem o privilégio de tê-lo como amigo. Ele anda comigo nas minhas andanças, quando da realização de sessões de julgamento popular por essa Paraíba e não se incomoda em carregar a bolsa do técnico, sempre vamos em seu carro e em Campina Grande, onde fomos realizar um concorrido júri popular, ele foi confundido pela imprensa como seno o Promotor, enquanto ninguém se dirigiu ao seu técnico, que em sua indumentária simples, não despertou nenhuma curiosidade nos presentes e não acreditaram quando afirmado pelo juiz que o técnico de Bacas era o titular daquela banca de acusação.
Entrego a camisa de titular da lateral direita a JOSA DE GUARABIRA, um homem sem dúvida alguma ungido e de Deus. JOSA não ostenta vaidades, é um homem do povo, já foi Presidente da Associação Comunitária do Bairro Santa Terezinha em Guarabira, onde fez renascer a associação, transformando o espaço sede num local familiar, onde os moradores cumpriam agendas sociais, religiosas e educativas profissionais e agora joga num time indispensável à cidade de Guarabira e região, o Abrigo São Vicente de Paula Futebol clube, é, um clube de idosos abandonados pelos incontáveis anos de vida, pela família e por uma sociedade cruel, consumista e movida pela propaganda de cosméticos, despertadora da vaidade incentivada por um capitalista selvagem e escravista. Ele tá lá, centrado, todos os dias, fazendo o melhor por esses idosos, desprezados por todos e acolhido por JOSA, deforma que rogo ao meu preparador físico, nosso conhecido Deus, para que o deixe sempre em forma, para dar conta da posição com maestria, como sempre o faz com louvor todas as horas, pois joga e teína sem parar, sempre na busca da vitória da sua equipe, o Abrigo de idosos São Vicente de Paula Futebol Clube.
Meu cabeça de área, também chamado médio defensivo, trinco ou volante, deixou nos pés e na cabeçinha coroada pela inteligência e coragem do nosso Procurador do Trabalho Eduardo Varandas, esse menino é um craque, é o melhor do mundo nesta posição, como ele não tem conversa, ou respeitam os direitos dos trabalhadores ou ele entra dividindo para ganhar e sempre fica com a bola do adversário atrasado, vetusto, reacionário, que só pretende sugar o sangue e as energias dos nossos empregados e servidores públicos. Ele já dividiu bolas com pobres homenzinhos que se acham acima da lei e por isto mesmo, os derrotou por um placar de 7X1, para honra e gáudio do direito, da democracia e novas práticas nas relações de trabalho.
Ele é um defensor aguerrido da criança e do adolescente, não permite que jogadores dos times da exploração sexual e do trabalho infantil sequer entrem em campo e quando o fazem, são desarmados com suas jogadas de mestre, realizadas com verdadeiro ardor e devoção, e  só acredito em jogadores que jogam com determinação, como se fossem o objetivo de suas vidas, de suas honras, do seu labor.
O meia armador desta seleção sumamente vitoriosa é um jornalista, ele exerce sua missão dada por Deus, para acossar governantes irresponsáveis, para exigir correção e correção na política, além de usar a sua pena para denunciar hipócritas e falso políticos, que tentam passar como administradores de escol, mas nos bastidores e nas caladas das noites indormidas dos carentes e excluídos de tudo, fazem as mesmas negociatas e exercitam a mesma prática de políticos de um tempo passado, improdutivo e corrupto, este jogador de ouro é o grande jornalista Rubens Nóbrega, que não criminaliza a pobreza em toca de audiência, mas com maestria elege o bandido correto para combater, o mal político, que é o responsável por todos os males causados a esse povo, que ao afinal,a caba criminalizado.
A minha seleção de ouro não é machista e nela jogam quatro destemidas jogadoras, elas jogam como alas, médio centro e meio campista, essas jogadoras, cujos passes não existem fortunas que os comprem, são Edilene Coutinho, a mãe de Sebstian Coutinho, um jovem inteligente e sonhador, morto a tiros por pessoas tidas como poderosas da cidade de Queimadas, a qual, busca de forma desesperada a apuração do crime, batendo nas portas sempre fechadas da Secretaria de Segurança do nosso glorioso Estado, a outra aguerrida jogadora é Zulima Tossy, a mãe de Adriano Tossy, morto no Bar Portal das Cores e que perseguiu de maneira ímpar, pois corajosa e perseverante a punição legal do matador do seu filho, se transformando num símbolo de luta na Paraíba contra os jogadores da morte, daqueles atletas que só levam luto para famílias enlutadas. Ainda forma a minha seleção de Outro Rosimere Mafra, ela é esposa de um preso, de um preso que ficou conhecido pela imprensa Criminalizadora como MONSTRO, o MONSTRO ABNER, um doente que estuprou várias mulheres na capital de João Pessoa, um homem normal não estupra ninguém, essa mulher pequena, magrinha, independente e extremamente simpática, encampou a luta contra as torturas e todo tipo de sevícias que ainda são praticadas nas prisões paraibanas, ela tem o ABNER como algo que deve ser protegido, que livrá-lo da morte, pois sabe que ele pode ser eliminado a qualquer momento, inclusive, com a complacência de homens de dentro do sistema e chegou a fundar uma associação, onde joga com classe, de nome AMEA PESSOA, em nome de ninguém peregrina nos corredores da Justiça, dos Direitos Humanos, sendo recebida por uns e por outros ignorada, MS sempre com denúncias graves na ponta da língua, citando nomes e lotações de bizarros servidores do sistema Penitenciário, na busca final de um humanismo para os presídios que esperávamos ter chegado com o governo atual, mas que tudo não passou da mais sofrida decepção. No governo de agora, torturadoras e torturadores encontram campo fértil para suas hediondas e condenáveis práticas.
Outra jogadora que enche de júbilo a nossa Seleção de Ouro é Silvinha do Assentamento Novo Salvador, no município de Jacaraú. Silvinha, juntamente com seu esposo, foi a primeira mulher a chegar na então ocupação, enfrentou rifles e revólveres, viu companheiros da ocupação tombarem mortos pelos braços armados do latifúndio desalmado, mas venceu, hoje vive e mora no Assentamento Novo Salvador, de onde, juntamente com seu marido, lidera os demais assentados. Lá Silvinha mobiliza as mulheres e fabricam artesanatos que são vendidos no Rio de Janeiro e lá é intensamente disputado, mas  Silvinha  também leva conforto, apoio moral e afeto a todas as famílias, de forma que essa jogadora, bem poderia ser a capitão do nosso escrete.
O meu centroavante, marcador de dezenas de gols de placa, um jogador de refinada categoria, é o nosso Sacerdote Djaci Brasileiro um jogador de físico franzino, pequeno, mas que sobre entre os zagueiros de 2m de altura e marca o gol de cabeça.
Djaci é um atacante de dar inveja e água na boca nas melhores seleções do mundo, suas jogadas principais são em favor de água abundante e potável para as sofridas multidões que habitam nossos áridos sertões nordestinos, só lembradas pela classe política em tempos de eleições, mas que após gastam as verbas em publicidade, se esquecendo da sede que mata os nordestinos e os seus pequenos rebanhos. Este sim deve receber a chuteira de ouro e não o Argentino Messy, que nunca bebeu água de cacimba ou água barrenta de pequenos barreiros, enchidos por enxurradas que no seu curso, trazem todas as sujeiras existentes sobre os terrenos por onde correram.
Finalmente, escalo para defender a posição de ponta de lança o querido médico e ex-perito do INSS Dr. Cardoso, esse jogador conheço de longas eras, é a humildade em pessoa, as pessoas pobres sempre foram vistas por ele, dedicou a sua vida aos carentes, nunca teve nada, o seu automóvel mais top que conheci, foi um sofrido Tempra, nossos colegas de Seleção o tratam por Cardosinho, nunca fez questão de ser chamado de Doutor, pois, segundo ele, o projeto de Deus é eu tosos nós sejamos iguais.
Nosso jogador Dr. Cardoso, foi acusado de desvio profissional, ou melhor, de atestar em perícias doenças inexistentes, conduta que teria lesado os cofres públicos, mas na verdade, nosso atleta de ouro Dr. Cardoso, pode até ter feito isto, mas por amor ao próximo, pelas necessidades sociais daqueles que o procuraram e viram na sua santa boa-fé uma forma de tirar proveito, pois esse jogador, seria incapaz de vender a sua honra em troca de trinta moedas.
Dr. Cardoso em consequência das acusações terríveis assacadas contra a sua pessoa foi vítima de um perverso AVC que o deixou prostrado vários meses, mas após alguns anos, muita dedicação e vontade de vier, aliado ao apoio afetivo e moral despendidos pela família, nosso jogador já está quase em forma, e mesmo debaixo das críticas que sempre ocorrem, ele é titular sim da nossa seleção de ouro. Para nós ele nunca caiu em campo, e sua convocação não representa nenhuma reabilitação, uma vez que não se reabilita quem não caiu, quem não foi atingido por qualquer lesão física ou moral.
Esta é a nossa seleção e com ela seremos campeões, ao passo, que seleções de celebridades medíocres, vaidosas, despreparadas física e moralmente, somente nos submetem a vexames, como foi a última derrota por 7X1.